“A Velha Canção” é o novo single de TOMARA

A descoberta do novo álbum de Filipe C. Monteiro a.k.a. TOMARA continua com “A Velha Canção”, o segundo single a ser conhecido antes da edição, em Fevereiro próximo, de “Avalanche”.

A Velha Canção” sucede a “Ao Sol”, canção revelada no início do Verão e que marcou o regresso de TOMARA às edições discográficas, depois de “Favourite Ghost” (2017). Uma incursão pela língua nativa – Cantar em português talvez seja um aspecto que confere assertividade às canções, já que me incita a um discurso directo e significativo. Foi um passo importante e algo quase paradoxal. Durante a pandemia, numa altura em que globalmente estávamos unidos e síncronos, senti a urgência de falar com quem estava mais perto. Só me fez sentido escrever em português.

Sobre o novo single, Filipe refere “A Velha Canção” fala sobre a relação que estabelecemos com o Passado. O delicado exercício de equilíbrio entre a importância de o entender, e a tentação vã de o querer mudar. O desafio diário de discernir se caminhamos numa estrada, ou numa roda de hamster.

A par de “Ao Sol”, também “A Velha Canção” é o exemplo perfeito da estética sonora explorada em “Avalanche” – os beats e a electrónica emergem na paisagem onírica e melancólica criada pelas guitarras, pedal steel e synths, conferindo-lhe uma nova arquitectura, mais pulsante e definida.

“A Velha Canção” está desde hoje disponível nas diferentes plataformas digitais e  antecede a chegada de “Avalanche”, o novo álbum do músico, o primeiro totalmente em Português, em Fevereiro de 2023. A acompanhar a edição do single, um videoclip editado e realizado pelo próprio, com a participação do baterista Nuno Sarafa.

TOMARA é o nome que Filipe C. Monteiro escolheu para o seu projecto individual. Músico, produtor e realizador, colaborou com diversos artistas (Sérgio Godinho, Luísa Sobral, Da Weasel, Márcia, The Legendary Tigerman, David Fonseca, Rita Redshoes, António Zambujo, Carlão e tantos outros) realizando videoclips, documentários ou até mesmo a componente cénica dos seus concertos.

Foto: TOMARA

Como músico, participou em trabalhos de estúdio e ao vivo de Deolinda, Samuel Úria e Carminho: co-produziu os discos de Rita Redshoes “Golden Era” e “Lights & Darks”. Desde 2013 que é músico e co-produtor de Márcia, tendo colaborado nos discos “Casulo”, “Quarto Crescente”, “Vai e Vem” e “Picos e Vales”.

No final de 2017 assinou o seu primeiro trabalho sob o nome TOMARA. “Favourite Ghost” foi elogiado pela crítica, tendo integrado várias listas de “melhores discos do ano”. Os singles “Coffee and Toast” e “For no Reason figuraram em inúmeras playlists e tops de rádios nacionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Precisa de ajuda?
Scan the code